HMNEWS EDITORA E EVENTOS. ÚNICA COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

GÁS | HIDROSSANITÁRIA | ELÉTRICA | ELETROMECÂNICA |HVAC | FOTOVOLTAICA | INCÊNDIO | DADOS | MANUTENÇÕES

 

 

+ de 37 mil

 

LEITORES, INTERNAUTAS, PROFISSIONAIS E FÃS DA REVISTA DA INSTALAÇÃO :)

  CONHEÇA OUTRA PUBLICAÇÃO DA HMNEWS EDITORARevista Potência
ANUNCIE
  

Contrato comemorado

Após nacionalizar a bomba hidráulica HGC, a KSB Brasil celebra o fornecimento de três unidades do modelo para a segunda linha de produção da Fibria em Três Lagoas (MS), que iniciou suas operações no dia 23 de agosto.

Resultado de investimentos de R$ 7,345 bilhões, a segunda fábrica da Fibria em Três Lagoas tem capacidade de produção de 1,95 milhão de toneladas de celulose de eucalipto por ano, e, somada à produção da primeira linha da unidade, já em funcionamento, a empresa passa a ter uma capacidade de produção de 3,25 milhões de toneladas de celulose/ano.

As bombas da KSB Brasil, já entregues à Fibria, são responsáveis pela alimentação de caldeiras e fundamentais para a ampliação do novo processo de produção da celulose. “Esse fornecimento é digno de comemoração e reconhecimento a todo o time KSB Brasil que dedicou seus esforços para a nacionalização da importante bomba HGC disponível em nossa gama de produtos”, afirma Edison Borges, gerente de Vendas da Divisão Óleo, Gás & Energia da KSB Brasil.

Trata-se do primeiro grande projeto concretizado após o início da produção local nas instalações da líder na fabricação de bombas hidráulicas em Várzea Paulista (SP). Para o início da produção local, a KSB manteve os mesmos padrões globais de qualidade exigidos pela empresa, utilizando todo o seu know-how e ferramental de alta precisão já existente na fábrica, além de atender aos rigorosos requisitos globais, sem qualquer adaptação ou modificação em seu processo produtivo.

Produzida também na China e na Alemanha, a bomba HGC é utilizada em sistemas que exigem alta pressão, possui construção horizontal, segmentada com multiestágios, bipartida radialmente, com sucção simples ou dupla. De última geração, a bomba nacionalizada atinge vazões até 1.450 m³/h, altura manométrica até 4.200 m, pressão de operação até 420 bar, temperatura até 200ºC, rotação até 7.000 rpm e frequência 50/60 Hz.