HMNEWS EDITORA E EVENTOS. ÚNICA COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

GÁS | HIDROSSANITÁRIA | ELÉTRICA | ELETROMECÂNICA |HVAC | FOTOVOLTAICA | INCÊNDIO | DADOS | MANUTENÇÕES

 

 

+ de 37 mil

 

LEITORES, INTERNAUTAS, PROFISSIONAIS E FÃS DA REVISTA DA INSTALAÇÃO :)

  CONHEÇA OUTRA PUBLICAÇÃO DA HMNEWS EDITORARevista Potência
ANUNCIE
  

Sistemas de climatização adaptam-se a novos modelos de construção em residências

A maioria dos novos empreendimentos residenciais produzidos em parede estrutural conta com apenas uma previsão de espaço para uma unidade externa de ar-condicionado, o que muitas vezes não atende a necessidade dos ocupantes.

A solução, nestes casos, é optar por aparelhos que possam contemplar mais de um ambiente interno: multi split ou VRF.

Antes de adquirir o equipamento é preciso conferir se a tubulação já está pronta, pois em alguns casos será possível instalar apenas um modelo ou, caso o proprietário ou proprietária prefiram, adaptá-la para outro aparelho. Por isso, é importante consultar um técnico de instalação para que ele possa avaliar o que é mais indicado – comenta o engenheiro mecânico Ricardo Vaz de Souza, conselheiro da ASBRAV (Associação Sul Brasileira de Refrigeração, Ar Condicionado, Aquecimento e Ventilação).

A principal diferença para a escolha dos modelos está no tamanho do apartamento. Em ambientes de pequeno porte, explica Souza, o multi split atende as necessidades de moradores e moradoras, chegando à capacidade de 42 mil BTU/h e abrangendo até cinco unidades internas. Além disso, ele é três vezes mais barato do que o VRF e ocupa menos espaço. Já para quem busca por mais capacidade de climatização interna, o indicado é o segundo tipo, que vai a 600 mil btus BTU/h, ou até mais, e permite conectar 80 unidades internas.

Com relação ao consumo elétrico, Ricardo Vaz de Souza afirma que ele é semelhante em todos os sistemas, desde que utilizem compressores inverter, que economizam até 40% de energia.