HMNEWS EDITORA E EVENTOS. ÚNICA COM CREDIBILIDADE E INOVAÇÃO EM PAPEL, INTERNET E EVENTOS.

GÁS | HIDROSSANITÁRIA | ELÉTRICA | ELETROMECÂNICA |HVAC | FOTOVOLTAICA | INCÊNDIO | DADOS | MANUTENÇÕES

 

 

+ de 37 mil

 

LEITORES, INTERNAUTAS, PROFISSIONAIS E FÃS DA REVISTA DA INSTALAÇÃO :)

  CONHEÇA OUTRA PUBLICAÇÃO DA HMNEWS EDITORARevista Potência
ANUNCIE
  

Empresas pagam multa na conta de energia sem saber

Muita gente paga a energia elétrica sem analisar a discriminação da fatura vinda da concessionária. É aí que, sem perceber, muitos empresários arcam com uma multa bem comum que onera em até 30% a conta no final de cada mês.

O especialista em eficiência energética Paulo César dos Santos explica que o boleto não discrimina a penalidade como multa, e sim traz a informação de “Energia Reativa Excedente”, que confunde o consumidor e o distancia de soluções que reduzem o valor da conta de 5 a 30%. Em um cálculo simples: se a conta de energia for de R$ 30 mil, a multa pode representar R$ 9 mil, ou R$ 108 mil ao final de um ano. “Dos casos que temos acesso, 80% desconhecem a multa e não sabem como devem proceder para eliminá-la”, conta.

A multa intitulada Energia Reativa Excedente é a penalidade dada pelas concessionárias às empresas que possuem um baixo fator de potência, reflexo do mau aproveitamento da energia elétrica.

O fator de potência (normalmente expresso em porcentagem) é a relação entre as três potências existentes: reativa, aparente e a ativa. O que acontece é que enquanto a potência ativa é consumida para a realização de um trabalho, a potência reativa, que não produz trabalho, mas é essencial para o funcionamento de máquinas elétricas como motores de indução, circula entre um equipamento e a fonte de alimentação, ocupando um espaço no sistema elétrico que poderia ser utilizado para fornecer mais energia ativa. Um alto fator de potência indica eficiência do uso da energia (energia ativa e reativa estão em conformidade) e um fator de potência abaixo de 92% indica baixa eficiência energética (há desperdício de energia).

Segundo Fábio Amaral (foto), diretor da Engerey Painéis Elétricos, todos os empreendimentos ligados em média ou alta tensão, ou seja, de lojas a grandes indústrias que não estejam utilizando de modo eficiente a energia, podem corrigir o fator de potência de sua instalação elétrica. Para isso basta realizar um estudo que inclui medições em campo da real necessidade capacitiva da empresa. A partir daí é necessário dimensionar corretamente cada equipamento utilizado pela empresa ou instalar um Bancos de Capacitores no sistema elétrico do empreendimento.

“Os bancos de capacitores são painéis elétricos que controlam as oscilações de potência dos equipamentos. Eles são instalados por grupos de cargas, ou seja, em um setor com diversas máquinas para correção de fator de potência coletivo ou de modo localizado junto ao equipamento a ser corrigido”, afirma Fábio Amaral.

“O correto dimensionamento através de um banco de capacitores elimina a energia reativa excedente e melhora a qualidade de energia da instalação elétrica”, finaliza Paulo César dos Santos.